Notícias

São Paulo - Na noite desta quinta-feira, 12 de maio de 2011, o desenhista e empresário Mauricio de Sousa toma posse na Academia Paulista de Letras. O criador da Turma da Mônica, composta por alguns dos mais conhecidos personagens de histórias em quadrinhos pelos brasileiros, ocupará a cadeira de número 24.

Mauricio é o primeiro quadrinista do mundo a fazer parte de uma academia de letras e ocupará o lugar antes pertencente ao poeta e jurista Geraldo de Camargo Vidigal, morto em agosto do ano passado. Lá, ele se imortalizará ao lado de nomes como Ruth Rocha, Paulo Bomfim e Lygia Fagundes Telles.

"Além da honra de me sentar ao lado de luminares da literatura e intelectualidade, beber de suas luzes e inteligência, gostaria de atrair crianças e jovens para conhecerem a Academia e seus representantes", explicou o autor. "E, com estes, discutir eventos que possam rejuvenescer a casa com a presença dessas crianças, afinal, são eles os leitores ou futuros leitores das nossas letras - sem esquecer meu lado quadrinhos, que me trouxe até aqui e abriu caminho para minhas incursões também em livros".

Uma pesquisa realizada pelo Ibope em 2008 com mais de cinco mil pessoas colocou Mauricio de Sousa como o décimo escritor mais admirado do Brasil em todos os tempos, ficando atrás apenas de nomes como Machado de Assis, Vinicius de Moraes, Jorge Amado e Paulo Coelho.

A recepção ao mais novo integrante do seleto grupo composto por apenas 40 membros - todos vitalícios - será realizada às 19h, pelo acadêmico Gabriel Chalita, que comentou: "ele trará o universo colorido da infância para a APL. Virá acompanhado. Mônica, Cebolinha, Horácio, Chico Bento e até o Bidu tomarão chá em nosso Areópago do Arouche".

Crédito: O dia Online

Rodrigo Burgarelli - O Estado de S.Paulo - 20-05-2011
Largo de São Francisco: No centro da cidade, local é composto por uma faculdade, um convento e duas igrejas

O poeta Paulo Bomfim tem saudades do Largo de São Francisco - um lugar apaixonado, de estudantes defendendo democracia e grandes causas. "É assim que me lembro da época que passei pela Faculdade de Direito, na década de 1950", conta. Sua paixão rendeu uma trova, hoje cantada pelo coral da faculdade: "Lembranças da São Francisco/ eu canto com emoção/ em cada canto do Largo/ eu largo meu coração".

Mas ultimamente Bomfim tem estado muito ocupado e já quase não anda por lá. Neste sábado, vai inaugurar exposição no Palácio do Horto (Rua do Horto, 931, tel.: 2193-8282), que contará sua história, com objetos pessoais e obras de amigos. Além do mais, as ideias já não estão tão apaixonadas assim. "O mundo mudou." E, com ele, o Largo.

trib 1e2aeO Tribunal de Justiça de São Paulo abriu, nesta quarta-feira (15), a exposição Palácio da Justiça: Berço do TRE paulista, que prossegue até o dia 31 de julho e conta a história do Tribunal Regional Eleitoral desde o seu surgimento.

Na mostra, o visitante terá a oportunidade de conhecer diversos objetos relacionados à evolução do sistema eleitoral paulista e brasileiro como urnas e títulos eleitorais, além de ter acesso a informações referentes a personagens que ajudaram a construir a história da justiça eleitoral ao longo dos anos.

A solenidade teve início com o discurso do desembargador Alexandre Moreira Germano, coordenador do Museu do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. “É uma honra e satisfação promover essa exposição no Palácio da Justiça. Daqui saem os funcionários, juízes e desembargadores do TRE paulista. Agradecemos aos presidentes José Roberto Bedran e Walter de Almeida Guilherme pela oportunidade”, concluiu.

O desembargador Alceu Penteado Navarro, vice-presidente e corregedor do Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo, contou um pouco da história que une os dois tribunais, ao lembrar que “foi aqui, no Palácio da Justiça, que o TRE nasceu, em 25 de maio de 1932, sob a presidência de Afonso José de Carvalho”. Ele falou, ainda, da importância do dia 15 de junho – data da instalação do TRE, no ano de 1932 – ter sido escolhida para a abertura da exposição. “Hoje é um dia consagrado a comemorarmos os laços fraternais que unem o Tribunal de Justiça de São Paulo e o Tribunal Regional Eleitoral, e essa aproximação vai muito além da lei. Por tudo isso, é que se deve registrar o esforço conjunto do Museu do TJSP e do TRE para a realização dessa exposição.”

À solenidade estiveram presentes o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador José Roberto Bedran; o vice-presidente, desembargador José Santana; o diretor da Escola Paulista da Magistratura (EPM), desembargador Armando Sérgio Prado de Toledo; a presidente do Conselho Consultivo, Orientador e Fiscal da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), desembargadora Zélia Maria Antunes Alves; os ex-presidentes do TRE paulista, desembargadores Alvaro Lazzarini e Paulo Henrique Barbosa Pereira; o subprocurador-geral de Justiça, Sérgio Turra Sobrane; o defensor público coordenador do Núcleo de Segunda Instância e Tribunais Superiores, Pedro Giberti; o conselheiro e presidente da Comissão de Assuntos Corporativos da Ordem dos Advogados do Brasil - - Secção São Paulo (OAB-SP), João Baptista de Oliveira; o secretário dos Negócios Jurídicos do Município, Cláudio Lembo; o presidente do Conselho Diretor do Centro de Integração Empresa Escola (Ciee) Nacional, do Conselho de Administração do Ciee/SP e da Academia Paulista de Letras Jurídicas, Ruy Martins Altenfelder Silva; o presidente eleito do MMDC, coronel Mário Fonseca Ventura; o secretário de Relações Institucionais do TJSP, poeta Paulo Bomfim e o presidente da Associação Comercial de São Paulo, Rogério Amato.

Assessoria de Imprensa TJSP – AM (texto) / AC (fotos)
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.