São Paulo - Na noite desta quinta-feira, 12 de maio de 2011, o desenhista e empresário Mauricio de Sousa toma posse na Academia Paulista de Letras. O criador da Turma da Mônica, composta por alguns dos mais conhecidos personagens de histórias em quadrinhos pelos brasileiros, ocupará a cadeira de número 24.

Mauricio é o primeiro quadrinista do mundo a fazer parte de uma academia de letras e ocupará o lugar antes pertencente ao poeta e jurista Geraldo de Camargo Vidigal, morto em agosto do ano passado. Lá, ele se imortalizará ao lado de nomes como Ruth Rocha, Paulo Bomfim e Lygia Fagundes Telles.

"Além da honra de me sentar ao lado de luminares da literatura e intelectualidade, beber de suas luzes e inteligência, gostaria de atrair crianças e jovens para conhecerem a Academia e seus representantes", explicou o autor. "E, com estes, discutir eventos que possam rejuvenescer a casa com a presença dessas crianças, afinal, são eles os leitores ou futuros leitores das nossas letras - sem esquecer meu lado quadrinhos, que me trouxe até aqui e abriu caminho para minhas incursões também em livros".

Uma pesquisa realizada pelo Ibope em 2008 com mais de cinco mil pessoas colocou Mauricio de Sousa como o décimo escritor mais admirado do Brasil em todos os tempos, ficando atrás apenas de nomes como Machado de Assis, Vinicius de Moraes, Jorge Amado e Paulo Coelho.

A recepção ao mais novo integrante do seleto grupo composto por apenas 40 membros - todos vitalícios - será realizada às 19h, pelo acadêmico Gabriel Chalita, que comentou: "ele trará o universo colorido da infância para a APL. Virá acompanhado. Mônica, Cebolinha, Horácio, Chico Bento e até o Bidu tomarão chá em nosso Areópago do Arouche".

Crédito: O dia Online


Sonetos

Soneto I - (Transfiguração – 1951)

Venho de longe, trago o pensamento Banhado em velhos sais e maresias; Arrasto velas rotas…

Notícias

02-06-2017

Ruas da Lapa homenageiam obras do poeta Paulo Bomfim

Ruas da Lapa homenageiam obras do poeta Paulo Bomfim: Cantiga do Desencontro e Calendário são algumas das placas poéticas. Seis pequenas ruas paralelas localizadas no bairro da Lapa de Baixo, na Zona Oeste, homenageiam as obras do poeta paulistano Paulo Bomfim. O conjunto de vias faz referência a livros do escritor preferido do ex-prefeito Olavo Setubal, que as batizou em 1977. Todas partem da Rua William Speers, às margens da linha do trem, e terminam na Rua Manequinho. Na década de 60, quando eram conhecidas apenas pelos nomes de “Passagem”, numeradas de 1 a 6, as casinhas geminadas já faziam parte de sua paisagem. Por ali, a velocidade máxima dos veículos não ultrapassa 20 quilômetros por hora.  Os livros inspiraram o…
24-09-2016

A história rueira de Paulo Bomfim: uma carta das ruas da cidade ao poeta, para celebrar seus 90 anos

Para celebrar os 90 anos do poeta paulistano, quem o homenageia são as próprias ruas de sua terra natal. Nos becos e esquinas da São Paulo ainda provinciana onde se ambientam seus livros, ressurgem tipos como o gatuno Galalau, marginal e boêmio, a Vovó do Pito, a embalar a cidade com cantos africanos, e o guarda Antônio, protetor dos casais apaixonados e dos pobres que dormiam nas praças. O aniversário é seu, mas também nós temos 90 anos a comemorar. Muito já se escreveu sobre você e sua obra de poeta, cronista e historiador, sobre sua sensibilidade única para entretecer pessoas e acontecimentos na trama do tempo de nossa cidade e, assim, revigorar o presente através do passado, o asfalto…