Paulo Bomfim

O Príncipe dos poetas brasileiros

"Se escrevesse um poema neste instante, escreveria uma árvore. Deixaria meu sangue circular em sua seiva, e os pássaros fazerem ninho com palavras de paina."

"Passamos uma época da vida colecionando emoções; a outra, colecionando saudades."

"O mar aí está à tua espera. Despe-te de tuas roupagens de símbolos e deixa que as ondas renovem tuas praias secretas."

"Em nossas fronteiras se encontram o infinitamente pequeno e o infinitamente grande. Tentamos explicar o mundo, mas é o mundo que nos explica."

"Devemos escrever o que somos, de tal maneira, com tamanha autenticidade, que, se alguém cravar um punhal em uma frase por nós sonhada, sinta nos dedos a cor de nosso sangue."

previous arrow
next arrow
Slider

Nota de falecimento

falecimentopb 11a04

 

No início da tarde, deste domingo (7), transformou-se em palavras, aos 92 anos, o poeta Paulo Bomfim, decano da Academia Paulista de Letras e integrante do Tribunal de Justiça de São Paulo.

“É uma perda inestimável para a cultura e a memória de São Paulo e do Brasil”, declarou o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, ao tomar conhecimento de sua morte. "Paulo Bomfim deixa uma legião de amigos e admiradores no Tribunal paulista, uma família que formou ao longo de décadas de serviços prestados ao Judiciário."

Saiba mais

Poemas sonoros

Poemas sonoros

"Poemas sonoros" contém mais de 40 poesias gravadas em vídeo, onde o poeta encanta declamando suas poesias de vários livros, de diversas épocas.

Leia mais

Livros publicados

Livros publicados

O Poeta Paulo Bomfim conta com dezenas de livros publicados. Suas obras já foram traduzidas para os idiomas alemão, francês, inglês, italiano e espanhol.

Conheça as obras

Passeios da Memória

Passeios da Memória

Personagens, histórias e lugares paulistanos são revistos a cada semana pelo poeta Paulo Bomfim, numa crônica inédita escrita para o rádio.

Clique aqui

Depoimentos

  • Se a humanidade nem sempre está atenta às primícias que de quando em quando ela produz, há exceções que propiciam retomada do credo nas criaturas. Uma delas é o amor que envolvem pessoa e obra do poeta PAULO BOMFIM . Ele merece em vida a reverência carinhosa de uma legião de Leia mais...
    A MAGIA BOMFINIANA
Renato NaliniSe a humanidade nem sempre está atenta às primícias que de quando em quando ela produz, há exceções que propiciam retomada do credo nas criaturas.
Uma delas é o amor que envolvem pessoa e obra do poeta PAULO BOMFIM.
Ele merece em vida a reverência carinhosa de uma legião de devotos. Reconhecem eles a qualidade de sua obra e a suprema excelência da matéria-prima de que o seu ser foi composto.
A genialidade não se caracteriza, inevitavelmente, pela beleza de caráter. Quanta vez o talento compartilha a miséria da condição humana.
Em PAULO BOMFIM, o casamento é perfeito. Poeta arrebatador em espírito sedutor. Erudição e singeleza. Beleza e generosidade em doses olímpicas.
Sobre sua obra e personalidade, se pode invocar Schiller, quando observa:

Um homem pode nos agradar por sua prontidão para servir; ele pode, por meio de seu discurso, nos dar assunto sobre o qual pensar; ele pode, por meio de sua personalidade, encher-nos de respeito; mas, por fim, ele também pode, independentemente de tudo isso, e sem levarmos em consideração, ao julgá-lo, qualquer lei ou propósito, simplesmente nos agradar quando o contemplamos e pela simples maneira de seu ser. Sob esta qualidade nomeada por último, nos o estamos julgando esteticamente.

Felizes somos nós que podemos partilhar da vida e obra de PAULO BOMFIM, no convívio fraterno que é um dos maiores dons que a Providência pode reservar aos viventes.
Sorvamos e nos deliciemos com a poética magia Bomfiniana.
Renato Naliniex-Presidente Academia Paulista de Letras Renato Nalini ex-Presidente Academia Paulista de Letras
  • 1