Vem de ontem
Flutuando no rio-tempo,
Balsa feita de nós mesmos
Árvore dos séculos
Crescendo na sombra
Com ramos de insônia trançados no abismo.
Somos um só: o leito – o amor – a morte.

Alvos lençóis nevam noturnamente.