Santo Souza - Prefácio "Tecido de Lembranças"

Nênia de Orfeu, para Raul Paulo

Com as mãos sujas de treva, aqui cheguei
nas asas do cometa que ilumina
a falange dos anjos, no infinito.
Sou construtor de auroras e crepúsculo

banhado em sangue e lágrimas. Dei sons
de paz e amor à música da morte,
e fui ungido pelo mar: nas mãos
das ondas derramei minhas primeiras

agonias, meu riso, a minha espada,
e adormeci com os bêbados de luz,
no chão da noite. − Agora vou cantar

nênias a Orfeu, o sacerdote e mestre
que me ensinou chorar entre as estrelas,
ouvindo a voz de mares e de céus.