Bilhete a um jovem octogenário

Quando me perguntam quem tem o perfil de São Paulo, imediatamente respondo: – Antônio Ermirio de Moraes.

Ninguém melhor do que ele para representar nosso Estado naquilo que possui de brasileiro e universal.

Em sua trajetória revivemos passadas bandeirantes plantando cidades e semeando civilização. É o retrato de corpo inteiro de São Paulo na sensibilidade dos gestos e no elã de garimpeiro do progresso.

Em seu temperamento multifacetado vamos identificando o industrial e o homem de cultura, o filantropo e o dirigente de hospitais, escolas e horizontes; o teatrólogo e a ronda de personagens que passam a se integrar na saga da brasilidade.

Somos amigos há mais de setenta anos. Caminhamos juntos da sala de aulas do Liceu Nacional Rio Branco, na rua Dr. Vila Nova, aos salões da Academia Paulista de Letras, no Largo do Arouche.

O que me fascina nesse irmão em saudade e esperança é sua autenticidade que a solidariedade e a compaixão transformam em roseiral de amor.

Diariamente, pétalas de sua ternura pousam na vida de alguém.

Criando empresas ou socorrendo aos necessitados, Antônio Ermirio vai se distribuindo ao longo dos caminhos.

Comandando um império, grisalhamente deixa o menino que mora dentro dele bradar: – Acorda Brasil!

Por isso, a festa de seu aniversário é a celebração de oitenta anos de amor ao povo brasileiro.

Parabéns ao condestável de tantos sonhos, parabéns aos muitos Antônios num só Ermirio.