Giovanni Gronchi

Quando Giovanni Gronchi esteve em São Paulo, fui ao Palácio do Governo falar com Adhemar de Barros, sobre a possibilidade do hóspede ilustre visitar as obras do “Edifício Cásper Líbero”, na Avenida Paulista.

O Governador em mangas de camisa e largos suspensórios, diz que a pauta do Presidente da República da Itália estava sobrecarregada de compromissos oficiais, e que, no dia seguinte, iria levá-lo ao aeroporto.

- Espere, tenho uma idéia!, diz Adhemar. Amanhã, quando a comitiva rumar para Congonhas, diga ao Carlos Joel Nelli para estar na Avenida Paulista com um fotógrafo. Mudarei o roteiro feito pelo cerimonial. Fiquem a postos que levarei o italiano até lá!

No dia seguinte, à hora marcada, os batedores anunciavam a passagem do Presidente. Subitamente Adhemar manda parar o carro, fato que causa confusão na comitiva que não percebe o que estava ocorrendo.

Carlos Joel Nelli e eu estávamos na calçada do edifício em construção, acompanhados de fotógrafos. O Governador desce puxando o Presidente da Itália, um tanto assustado, e vai dizendo:

- Gazeta, Itália, tutti buona gente!

As manchetes de “A Gazeta” e de “A Gazeta Esportiva” registraram: - “Giovanni Gronchi visita as obras do Edifício Cásper Líbero”.

Cada vez que passo pela Avenida Giovanni Gronchi, penso com meus botões: - Ele morreu sem nunca ter entendido o que aconteceu aquela tarde em São Paulo!