Colar do Mérito Judiciário Paulo Bomfim

O Tribunal de Justiça de São Paulo homenageou na tarde de hoje (17/07/2012) o poeta Paulo Bomfim, que é assessor especial da Presidência do TJSP e trabalha no Judiciário paulista há quase 50 anos.

Decano da Academia Paulista de Letras, ele foi agraciado com o Colar do Mérito Judiciário, condecoração instituída pelo Tribunal em 1973, com o objetivo de homenagear personalidades, nacionais ou estrangeiras, por seus méritos e relevantes serviços prestados à cultura jurídica.

Paulo Bomfim recebeu o colar por indicação do presidente do TJSP, desembargador Ivan Sartori, com aprovação da Comissão de Honraria e Mérito, composta pelos desembargadores Francisco Roberto Alves Bevilacqua, Antonio Augusto Corrêa Viana, Luiz Pantaleão e José Gaspar Gonzaga Franceschini, vice-presidente da Corte.

Além do presidente e do vice-presidente, a mesa da solenidade foi composta pelo presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Carlos Augusto Ayres Britto; pela secretária de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda, que representou o governador Geraldo Alckmin; pelo presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado estadual Barros Munhoz; pelo corregedor-geral da Justiça, desembargador José Renato Nalini; pelo deputado federal Gabriel Chalita; pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, desembargador Newton de Lucca, e pelo presidente do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, juiz coronel Orlando Eduardo Geraldi.

Nalini, que é amigo de Paulo Bomfim, fez um discurso ao homenageado em nome da instituição. “Amor foi o que propiciou a nós, seus coetâneos, o privilégio de tê-lo como integrante desta família forense, unida pelo mesmo empenho e entusiasmo em fazer o justo concreto, à frente do cerimonial, atento ao acervo do Museu do Tribunal, inspirado compositor de nossos hinos. Qual o colegiado de um Poder Judiciário em todo o planeta que pode se orgulhar de ter entre seus quadros, devotado e em tempo integral, um Príncipe dos Poetas de seu tempo, de sua terra e de sua grei?”, disse Nalini.

O ministro Ayres Brito também proferiu algumas palavras e falou sobre o convívio com o poeta. “Sou amigo de Paulo Bomfim há anos e admirador de sua poesia. Paulo é mais que um intelectual. É poeta originalíssimo. Homem que alcançou uma evolução espiritual que nos inspira. Pratica, sem esforço, a ética da cordialidade, do carinho. Parabenizo a feliz e justíssima iniciativa em homenageá-lo.”

Ivan Sartori destacou que o trabalho de Paulo Bomfim é importante para resgatar a história do Tribunal de São Paulo, que tanto trabalha para levar a justiça ao povo paulista. Também afirmou ser uma honra homenagear o poeta na presença de pessoas tão ilustres. “Desejo-lhe a máxima felicidade, conte sempre conosco e espero que assim seja por muitos e muitos anos.”

Paulo Bomfim agradeceu, emocionado, a presença de todos os amigos que lotaram o Salão Ministro Costa Manso, no Palácio da Justiça, e o aplaudiram de pé. Leu a Oração aos Amigos do Tribunal de Justiça, após proferir seus agradecimentos:

“Este Colar, que abraça saudade e esperança de um poeta, é celebração de meio século de amor ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Antes disso, lá pelos anos trinta, um menino vinha com seu pai visitar o arquiteto Ricardo Severo, que, com a morte de Ramos de Azevedo, prosseguiria nas obras do Palácio de Justiça.

O Colar que hoje recebo não por mérito judiciário mas por muito amar este Poder comemora também o meus setenta anos de vida literária, celebração que engloba meio século de Academia Paulista de Letras onde sou Decano.

Com que emoção sou condecorado com esta consagradora honraria concedida àquele que há oitenta anos foi um pequeno escoteiro de 32.

Sinto-me promovido pela generosidade dos senhores.

Meu primeiro livro, ‘Antonio Triste’, torna-se alegre na tarde de hoje.”

Também estiveram presentes à solenidade a procuradora chefe de gabinete do procurador-geral de Justiça, Vania Maria Ruffini Penteado Balera, representando-o; o procurador-geral do Estado adjunto, José Renato Ferreira Pires; a defensora pública coordenadora do Núcleo Especializado de Segunda Instância e Tribunais Superiores da Defensoria Pública de São Paulo, Amanda Pontes de Siqueira, representando a defensora pública geral; o reitor da Uni Sant’Anna e conselheiro do CIEE, professor Leonardo Placucci; a acadêmica da Academia Paulista de Letras e também conselheira da Fundação Padre Anchieta, Lygia Fagundes Telles; o deputado estadual Olímpio Gomes; o presidente da Seção de Direito Privado do TJSP, desembargador Antonio José Silveira Paulilo; o presidente da Seção de Direito Criminal do TJSP, desembargador Antonio Carlos Tristão Ribeiro; o desembargador Antonio Carlos Malheiros, representando o presidente da Seção de Direito Público do TJSP; o secretário de Articulações da Associação dos Magistrados Brasileiros, desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, representando o presidente; o presidente da Associação Paulista de Magistrados, desembargador Roque Antonio Mesquita de Oliveira; o desembargador Ademir de Carvalho Benedito, representando a Academia Paulista de Magistrados; o desembargador Luiz Edmundo Marrey Uint, representando o presidente do Copedem; o desembargador Mario Antonio Silveira, representando o presidente do Instituto Paulista de Magistrados; o conselheiro do Conselho Consultivo de Programas da Escola Paulista da Magistratura, juiz Regis de Castilho Barbosa Filho, representando o diretor; o presidente da Corregedoria Geral da Administração do Governo de São Paulo, Gustavo Ungaro; o ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho; os ministros José Gregori, Sydney Sanches, José Carlos Dias e Eros Roberto Grau; o presidente do TJSP em 1994, desembargador Francis Selwyn Davis; os ex-presidentes do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo desembargadores Álvaro Lazzarini e Paulo Henrique Barbosa Pereira; o presidente da Academia Paulista de Letras, Antonio Penteado Mendonça; o promotor de Justiça Ricardo Antonio Andreucci, representando o presidente da Associação Paulista do Ministério Público; o presidente em exercício da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo, Marcos da Costa; o conselheiro nato do Instituto dos Advogados de São Paulo e Acadêmico da Academia Ituana de Letras, Nelson Kojranski, representando seus respectivos presidentes; o presidente da Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da USP, José Carlos Madia Souza; o presidente da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, cel. PM Mario da Fonseca Ventura; o presidente do Movimento Poético Nacional, Walter Argento; o diretor de ensino e cultura da Polícia Militar do Estado de São Paulo, cel. PM Luiz Eduardo Pesce de Arruda; o 2º tenente músico, PM Jassen Feliciano; magistrados; advogados; defensores; membros do Ministério Público; policiais; servidores; muitos amigos e familiares.

Poeta Paulo Bomfim - jornalista profissional, Paulo Bomfim, o "Príncípe dos Poetas", iniciou suas atividades em 1945, no Correio Paulistano, indo a seguir para o Diário de São Paulo a convite de Assis Chateaubriand onde escreveu durante uma década “Luz e Sombra”, redigindo também “Notas Paulistas” para o “Diário de Notícias” do Rio. Foi diretor de Relações Públicas da “Fundação Cásper Líbero” e fundador, com Clóvis Graciano, da Galeria Atrium. Homem de TV, produziu “Universidade na TV” juntamente com Heraldo Barbuy e Oswald de Andrade Filho, no Canal 2, “Crônica da Cidade” e “Mappin Movietone”, no Canal 4. Apresentou na Rádio Gazeta a “Hora do Livro” e a “Gazeta é Notícia".

Paulo Bomfim publicou seu primeiro livro, “Antonio Triste”, em 1947, com prefácio de Guilherme de Almeida e ilustrações de Tarsila do Amaral. De lá até hoje são 33 livros publicados, traduzidos para o alemão, francês, inglês, italiano e castelhano. Em 1963 entrou para a Academia Paulista de Letras onde foi saudado por Ibrahim Nobre. Foi presidente do Conselho Estadual de Cultura e do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito. Em 1981 foi eleito “Intelectual do Ano” pela União Brasileira dos Escritores, conquistando o “Troféu Juca Pato”, ao qual concorreram também Darcy Ribeiro e Celso Furtado.

Crédito: Comunicação Social TJSP – CA (texto) / AC (fotos) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.